Ligue-se a nós

Economia

Por que mulheres pagam mais caro que os homens pelos mesmos produtos?

Publicado

no

Por que mulheres pagam mais caro que os homens pelos mesmos produtos? 23

Você já ouviu falar da taxa rosa? Esse é o termo usado para explicar o sobrepreço incluído em produtos destinados ao público feminino. Sim, as mulheres pagam mais caro do que os homens por um produto com igual design, função e composição, além dos serviços com o mesmo tempo e trabalho gastos. Não é uma taxa, mas sim um adicional para o público-alvo do produto: as mulheres.

O Departamento de Defesa do Consumidor da cidade de Nova York (NYC-DCA), em 2015, comparou 800 produtos de cinco indústrias, em 35 categorias de produtos, com rótulos claros para mulheres e homens, e descobriu o custo de ser uma consumidora mulher: 7% a mais para brinquedos e acessórios; 4% a mais para roupas infantis; 8% a mais para roupas para adultos; 13% a mais para produtos de higiene pessoal; e 8% a mais para produtos de saúde para idosas/domiciliares. Das 35 categorias de produtos analisadas, 30 delas tinham preços mais elevados para consumidoras femininas. E isso ocorre no mundo todo.

O mais surpreendente é quando se considera o salário das mulheres em relação ao dos homens e, também, a média de vida das mulheres, que é mais alta que a dos homens. A última estatística de gênero divulgada pelo IBGE, com base no sendo de 2010, apurou que as mulheres ganham, em média, 32,4% menos que os homens, sendo que a razão entre rendimento médio delas em relação ao rendimento deles, em percentual, por faixa etária, é de 81,7% (16 a 24 anos); 69,4% (25 a 39 anos); 63,7% (40 a 59 anos); e 63% (acima de 60 anos).
Por sua vez, as tábuas de mortalidade no Brasil indicam que a expectativa de vida está em 76,6 anos (base IGBGE – 2019), sendo que para os homens é de 73,1 anos e as mulheres de 80,1. Em síntese, as mulheres vivem mais, com salários mais baixos, e pagam mais caro que os homens pelos mesmos produtos com “roupagem” feminina.
Para o IDEC, Instituto de Defesa do Consumidor no Brasil, não deveria haver diferenciação de preços. Até mesmo estabelecimentos que cobram preços menores para mulheres para eventos de lazer estão infringindo a regra de direitos iguais, já que a diferenciação de valor fere a igualdade entre os gêneros e desrespeita a dignidade das mulheres, pois as utilizam como ‘iscas’.

Então, o que nós, mulheres, podemos fazer para melhorar esta situação?

Optar pelo produto mais barato, com a mesma qualidade, sem se preocupar com a sua cor (rosa ou azul) ou desenho;
Registrar a sua queixa ou insatisfação – o Instituto de Defesa do Consumidor afirma que, apesar de os fornecedores ou fabricantes terem liberdade de determinar o preço dos produtos, é possível questionar esse tipo de prática de diferenciação de preços por gênero. A recomendação é reunir recibos e notas fiscais para comprovar a distorção e poder formalizar a reclamação nos órgãos de defesa do consumidor;
Antes de comprar produtos, verificar a diferença de preços e qualidade nos destinados às mulheres, comparando-os com o preço do mesmo artigo masculino.
Estes não são apenas fatos interessantes, mas estatísticas de gênero significativas que podem auxiliar nas decisões de consumo das mulheres, ajudando a economizar e focar diretamente nos sonhos e objetivos de vida.

Fonte: Myrian Lund é professora do curso de Finanças do ISAE Escola de Negócios / Lola Dias
P+G Comunicação Integrada /pmaisg.com.br

Anúncio

Publicidade

Publicidade

    Previsão do Tempo