Quem tem trombose pode fazer longas viagens?

COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA COM OS SEUS AMIGOS

Especialista fala sobre esse problema circulatório

 

PUBLICIDADE

A trombose venosa profunda é uma doença do sistema circulatório que costuma preocupar as pessoas quando se trata de viagens longas, de avião, de carro ou de ônibus. Segundo o cirurgião vascular Kenji Nishinari, do Hospital Alemão Oswaldo Cruz, de São Paulo (SP), a preocupação é válida mas não deve impedir o paciente de se divertir e aproveitar o turismo.

“Aproveitar as pausas nas viagens de carro e de ônibus para esticar as pernas e fazer uma pequena caminhada é essencial, assim como dentro dos aviões o ideal é caminhar pelo corredor, a cada três horas, a fim de estimular a circulação. Enquanto estiver sentado, aproveite para movimentar os pés para cima e para baixo com a finalidade de contrair as panturrilhas”, orienta o médico.

Em viagens prolongadas, a utilização de meias elásticas de média compressão nas pernas também ajuda, pois contribui para o retorno sanguíneo nessas situações de menor movimentação dos membros inferiores. Manter-se bem hidratado, evitar o consumo de bebidas alcoólicas e remédios para dormir durante o período da viagem também são medidas que diminuem o risco de desenvolvimento da trombose, conforme o especialista.

Os pacientes com esse problema circulatório podem apresentar sinais e sintomas como dor, inchaço nas pernas e alteração da coloração. Vale lembrar que os principais fatores de risco são: predisposição genética, imobilização prolongada, uso de contraceptivos hormonais e o câncer maligno.

“Permanecer imóvel por muito tempo como em pós-operatório de grande cirurgia ou mesmo numa imobilização de um membro, também representa perigo para o desenvolvimento da doença. Nesses casos o indicado é usar meias de compressão, administrar remédios anticoagulantes em doses preventivas e também fazer movimentação sempre que possível”, alerta Kenji Nishimari.

Apesar de serem registrados 400 mil novos casos anuais de trombose venal profunda no Brasil, em média, segundo estimativa do Ministério da Saúde, existe prevenção para o problema e a adoção de um estilo de vida saudável pode contribuir muito. “Manter-se no peso ideal, evitar o consumo exagerado de bebidas alcoólicas, não fumar, ter uma alimentação balanceada, praticar atividades físicas regularmente e evitar os fatores de risco conhecidos são os pilares da prevenção de qualquer doença e com a trombose não é diferente”, diz o cirurgião vascular.

Fonte: revistaencontro.com.br


COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA COM OS SEUS AMIGOS

Comentários

Comentários