Mar avança em Belmonte e é nítido o rastro de destruição próximo a escultura famosa

PUBLICIDADE
COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA COM OS SEUS AMIGOS

Mar avança em Belmonte e é nítido o rastro de destruição próximo a escultura famosa 1

Moradores e visitantes tem observado o avanço do mar em Belmonte, e visivelmente tem deixado um rastro de destruição na orla de Belmonte.

PUBLICIDADE

As águas que cercam a charmosa Belmonte conhecida como mar moreno, por conta da coloração amarronzada de suas águas em função da foz do Rio Jequitinhonha, está totalmente destruída.

Casas de praia, barracas, tudo foi destruído e o mar continua avançando.

A escultura do guaiamum gigante está ameaçado com o avanço do mar em direção a cidade.

Nenhuma ação governamental foi tomada.

O território, primitivamente habitado pelos índios botocudos integrava a Capitania de Porto Seguro, no início do século XVIII.

No início do século XVIII, colonos  começaram o povoamento de São Pedro do Rio Grande nas proximidades do rio Grande, atual Rio Jequitinhonha.

Os índios Botocudos foram catequizados pelos jesuítas que aí fundaram a capela de Nossa Senhora de Madre de Deus.

A pequena capela foi a primeira construção do local. Durante muito tempo a cidade foi importante porta de entrada para Minas Gerais, através do rio Jequitinhonha, única via navegável até Salto da Divisa.

Situado numa planície entre o rio Jequitinhonha e o oceano Atlântico, esse município floresceu nos bons tempos do cultivo do cacau, no final do século XIX. Em 1891, passou à categoria de cidade, inicialmente com o nome Belmonte do Jequitinhonha. Historiadores supõem que o nome Belmonte foi sugerido pelo ouvidor de Porto Seguro, em homenagem à cidade homônima portuguesa, onde nasceu Pedro Álvares Cabral.

A suposição histórica leva a crer que os primeiros “sinais de terra” (ervas flutuantes, troncos de árvores e raízes) avistados pela esquadra de Cabral, tenham partido do rio Jequitinhonha, que em 1500 deveria  ser mais caudaloso, arrastando espécies da Mata Atlântica que ficavam boiando ao sabor das correntes marinhas.

Na foz do Jequitinhonha, ainda existem manguezais com a vegetação típica local, que inclui caules retorcidos, com o emaranhado de seus galhos rugosos e raízes entrelaçadas à mostra, além de uma fauna riquíssima.

Fonte: https://namidianews.com.br


COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA COM OS SEUS AMIGOS

Comentários

Comentários