Ligue-se a nós

NOTÍCIA GERAL

Fato inédito no mundo: beija-flor com plumagem rara é registrado em reserva de proteção no Sul da Bahia

Publicado

no

Fato inédito no mundo: beija-flor com plumagem rara é registrado em reserva de proteção no Sul da Bahia 16

O beija-flor é do gênero Chlorestes de cor branca e foi avistado na Estação Veracel. Não há registro de outro indivíduo com essa mutação em todo o mundo. Crédito da foto: Jailson Souza

A Reserva Particular do Patrimônio Natural, localizada no Sul da Bahia e mantida pela Veracel Celulose, é a maior RPPN de Mata Atlântica do Nordeste e tem papel fundamental para a conservação da biodiversidade da região

Eunápolis, 19 de janeiro de 2023 – O ano começou de forma especial para a analista ambiental Regina Damascena, que atua na RPPN Estação Veracel, reserva particular localizada no sul da Bahia. Foi dela o olhar atento na identificação de uma ave de plumagem completamente diferente: um beija-flor praticamente branco: “parecia uma fadinha”, segundo Regina.

O que ela não sabia era que a “fadinha” se tratava de um achado inédito no mundo entre beija-flores do gênero Chlorestes. Ali estava um beija-flor com mutação genética, o que fez com que apresentasse a coloração exuberante da espécie, sendo raro em todo o planeta. Os estudiosos não possuem certeza se trata-se de um beija-flor-de-garganta-azul (Chlorestes notata) ou um beija-flor-roxo (Chlorestes cyanus).

“Estamos presenciando algo inédito. Trata-se do primeiro beija-flor gênero Chlorestes do mundo com uma mutação genética que o torna praticamente todo branco”, explica Luciano Lima, ornitólogo do Observatório de Aves da EVC. “Essa mutação provavelmente trata-se de uma diluição, chamada também por alguns pesquisadores de leucismo, e provoca, como o nome indica, uma diluição da pigmentação em partes da plumagem do animal”, complementa ele. “Não é possível identificar as causas da alteração sem um estudo genético mais aprofundado”, informa o especialista. “É importante esclarecer que não se trata de um beija-flor albino. A diferença principal é que ele possui olhos pretos e tem um leve tom acinzentado nas penas e patas. Para ser albino, ele precisaria ser totalmente branco e não ter pigmentação em outras partes do corpo além da plumagem, como os olhos, que acabam ficando com uma coloração rosada”, explica Lima.

São conhecidas seis espécies de beija-flores do gênero Chlorestes, que são encontrados no México, América Central e América do Sul. Na Mata Atlântica, o beija-flor-de-garganta azul habita principalmente ‘florestas de baixada’ ou ‘florestas de tabuleiro’. Essa formação florestal é rara no bioma Mata Atlântica e é justamente ali que está localizada a Estação Veracel. A ave também ocorre na Amazônia e em outras áreas da América do Sul.

De acordo com Luciano Lima, o papel da RPPN Estação Veracel para a conservação da biodiversidade é fundamental para que se possa observar e estudar um fenômeno raríssimo como esse. “Estamos dentro de uma grande área de Mata Atlântica protegida, o que colabora para a sobrevivência desse beija-flor. Sua coloração esbranquiçada atrai predadores e provoca a rejeição de outros beija-flores, além de dificultar sua reprodução”, explica o ornitólogo.

Virgínia Camargos, coordenadora de estratégia ambiental e gestão integrada da Veracel, responsável pela EVC, destaca que a reserva tem papel fundamental para a manutenção de polinizadores naturais para o entorno, preserva ecossistemas e contribui para o equilíbrio climático na região. A reserva abriga grande variedade de espécies de fauna e flora, além de 115 nascentes.

“Nestes 25 anos de criação, a RPPN Estação Veracel se consolidou como uma referência em conservação ambiental. O trabalho realizado na reserva está inserido e amplamente conectado ao compromisso da Veracel Celulose com a sustentabilidade e com o desenvolvimento de sua região de atuação”, afirma a gestora da reserva.

Não se sabe se o beija-flor encontrado é uma “fadinha” como foi carinhosamente chamado, já que não foi possível identificar ainda se a ave é macho ou fêmea. Os pesquisadores estimam que tenha cerca de um ano de vida, ou seja, é um pássaro jovem, já que o recorde de tempo de vida para um beija-flor é de 12 anos, embora seja mais comum que vivam em média entre 3 e 5 anos. Uma coisa é certa: apesar de estar em um dos biomas mais ameaçados – a Mata Atlântica, esse beija-flor prova que a biodiversidade brasileira está viva.

Fato inédito no mundo: beija-flor com plumagem rara é registrado em reserva de proteção no Sul da Bahia 17

A RPPN Estação Veracel recebe visitantes do mundo todo. O programa de visitas é realizado mediante agendamento e formação de grupos. Crédito da foto: Banco de dados da Veracel

Educação ambiental, reconhecimento internacional e apoio a pesquisas

A área também oferece atividades de educação e interpretação ambiental, com a aplicação da técnica de vivências com a natureza. E, desde 2017, a RPPN mantém um programa para a observação de aves, contribuindo mais ainda para o ecoturismo na região.

A reserva conta também com parcerias com a Universidade Federal do Espírito Santo (UFES) e o Centro Nacional de Pesquisa e Conservação De Mamíferos Carnívoros (CENAP/ICMBio). Nessas parcerias, estão em foco a conservação de dois animais topo da cadeia alimentar: a onça-pintada (Panthera onca) e a harpia (Harpia harpyja), sendo essa última uma espécie com alto risco de extinção. Na RPPN, foram identificados dois ninhos de harpia ativos que são monitorados periodicamente, demonstrando o alto nível de conservação da área.

A RPPN Estação Veracel foi criada em 1998 e é mantida pela Veracel Celulose. Reconhecida pela UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) como Sítio do Patrimônio Mundial Natural, é considerada uma área chave para conservação de aves pela BirdLife International, organização com sede no Reino Unido. Foi também reconhecida no protocolo de Serviços Ecossistêmicos do Forest Stewardship Council® – FSC® C017612, emitido no Brasil pela certificadora Imaflora, pela conservação da biodiversidade.

Visite a Estação Veracel

A RPPN recebe visitantes do mundo todo. Está localizada a aproximadamente a 15 quilômetros do centro histórico de Porto Seguro. O programa de visitas é realizado mediante agendamento e formação de grupos, pelo e-mail estacaoveracel@veracel.com.br ou pelo telefone (73) 3166-8755.

Sobre a Veracel

A Veracel Celulose é uma empresa de bioeconomia brasileira que integra operações florestais, industriais e de logística, que resultam em uma produção anual média de 1,1 milhão de toneladas de celulose, gerando mais de 3,2 mil empregos próprios e de terceiros, na região da Costa do Descobrimento, sul da Bahia e no Vale do Jequitinhonha, em Minas Gerais. Além da geração de empregos, renda e tributos, a Veracel é protagonista em iniciativas socioambientais no território. O ranking Great Place to Work (GPTW) validou a Veracel como uma das melhores empresas para trabalhar do Brasil pelo 5º ano consecutivo.

Além dos mais de 100 mil hectares de área protegida ambientalmente, é guardiã da maior Reserva Particular do Patrimônio Natural de Mata Atlântica do Nordeste brasileiro, a Estação Veracel, que recebeu o Certificado de Serviços Ecossistêmicos do Forest Stewardship Council® – FSC® C017612, emitido no Brasil pela certificadora Imaflora.

Fonte: Veracel Celulose

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

Eventos Agendados

Previsão do Tempo

Todos os direitos reservados © 2009-2023 - Que Agito. CNPJ:12.054.600/0001-11
Site desenvolvido por Júnior Tavares

Share via