Investindo em carreira na música, drag queens baianas fizeram bazar para financiar clipe

PUBLICIDADE
COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA COM OS SEUS AMIGOS

Investindo em carreira na música, drag queens baianas fizeram bazar para financiar clipe 1

A drag queen baiana Natha Sympson decidiu se lançar no mundo da música em 2019. A artista gravou ao lado da sua amiga, a também drag queen Roberta Santys, a música e o clipe de “Vou Sarrar”, inspirado no verão, trazendo nas filmagens fortes cores neons e uma pool party.

PUBLICIDADE

 

A artista, que em 2017 foi criticada ao realizar uma performance no Colégio Estadual Odorico Tavares (lembre aqui), contou ao Bahia Notícias que não quer ser lembrada por esse episódio e esse foi um dos motivos que a levou a se arriscar na carreira músical.

 

Natha começou a fazer arte drag em 2016 e, desde então, já tinha planos de se tornar cantora. “Eu já pensava em fazer música e agora está super em alta a relação da arte drag com a música. Reencontrei a Roberta, que estudou comigo no ensino fundamental e nos juntamos para começar esse trabalho”, revela a cantora. 

 

O clipe de “Vou Sarrar”, música que foi criada pelas duas artistas, tem o intuito de mostrar tanto o lado a diversão da capital baiana e a autoaceitação de cada personalidade. “Fizemos o clipe para todo mundo se divertir, mostrar como são as nossas noitadas de Salvador e também que você deve se autoafirmar e aceitar como você é, porque a música fala: ‘Não me faço de santa, eu sou problema’. Então seja problema, e está tudo bem você ser, ninguém precisa te julgar por isso”, explica Natha. 

Para conseguir realizar a gravação do clipe, Natha e Roberta passaram por algumas complicações até chegar no produto final. “Fomos enroladas durante 4 meses por um produtor”. Segundo a drag, o profissional que ofereceu fazer a gravação da música gratuitamente, após gravar as vozes, enviou para elas um aúdio de “Vou Sarrar” com uma batida “totalmente nada a ver” com o que foi planejado. “Ficamos esperando na porta do estúdio dele para tentar resolver e ele não apareceu. Deixou a gente lá, no sol, desligou o celular, tirou a internet e não conseguimos falar com ele”, lembra a cantora. 

 

“Voltamos para casa revoltadas e tristes com a situação. Recorremos a outro produtor, o Cleiderman Sodré. Passei a noite no telefone com ele explicando tudo o que aconteceu e pedi para ele fazer um preço bom porque não tínhamos dinheiro para sustentar uma produção de alta qualidade. Ele aceitou, fez um pacote pra gente e conseguimos fechar a gravação. Mas para conseguir o dinheiro vendemos até coisa de casa, fizemos um bazar, minha amiga vendeu a televisão dela… Eu acabei usando todo o meu dinheiro do mês, que eu tinha para me sustentar, para investir no projeto”. 

 

Mesmo com todos os impasses, Natha disse ao BN que se manteve confiante. “Eu falei para a Roberta: ‘essa é a hora’. Conseguimos encontrar o local, fizemos uma parceria com o videomaker Junior Santoz, e apesar de ser um trabalho difícil e estressante no final deu tudo certo com a gravação do clipe”. 

 

Após a resposta positiva do público, a artista baiana atendeu os pedidos dos fãs e disponibilizou, nesta quarta-feira (23), um vídeo com a coreografia realizada por ela e as dançarinas no clipe. “No videoclipe acabou ficando um pedaço pequeno por causa dos cortes dos takes, então como estavam me cobrando a coreografia completa, eu decidi gravar esse vídeo. A dança foi criada por mim, Érica Paz e Angel”, diz Natha. 

Como planos futuros, a drag queen informou que ela e Roberta estão pensando em lançar um EP juntas e já estão em processo de produção. “Nesse momento estamos correndo atrás do dinheiro e de parcerias. Estamos com um material muito babado. Queremos muito conseguir lançar isso para tentar se apresentar durante o Carnaval e vender vários shows”. 

 

Sobre a arte drag em Salvador, Natha Sympson fez questão de destacar que não encontra apoio de estabelecimentos que realizam apresentações de drags e de empresários para conseguir mostrar o seu trabalho. “É muito difícil ser artista aqui em Salvador, a arte é muito desvalorizada. Foi muito difícil para a gente conseguir toda a produção desse clipe e que com tão pouco conseguimos fazer tudo isso. Preciso deixar um recado: as pessoas valorizam mais os artistas de fora, e não olham para as pessoas maravilhosas e artistas incríveis que temos aqui dentro da Bahia. Queria pedir que empresários e boates valorizassem mais a nossa arte, pagassem um cachê digno para a gente, contratassem a gente para shows ao invés de contratar artistas de fora”, sugere. 

Fonte: bahianoticias.com.br


COMPARTILHE ESTA NOTÍCIA COM OS SEUS AMIGOS

Comentários

Comentários